Soneto da Hemorragia

June 6, 2014 § 5 Comments

Há quem diga que o traído sente dor
E que tal dor lhe advém da punhalada
Quem o diz com certeza não pensou
Que a dor é da adaga retirada.

A adaga que penetra e tanto corta
Com surpresa tanto mais espanta
Mas passado o momento inicial
A dor até que um pouco encanta.

O que mata não é tanto a punhalada
Mas tão mais o vazio que se planta
Pois a adaga com a carne abraçada.

Logo parte e caminha pra distância.
O que dói não é lâmina nem faca
Mas apenas o vazio que me sangra.

About these ads

§ 5 Responses to Soneto da Hemorragia

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Soneto da Hemorragia at AnarcoBlog.

meta

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

Join 759 other followers

%d bloggers like this: