O Teorema da Piscina de Bolinhas – Um Post à Moda Antiga.

January 31, 2008 § 1 Comment

No transcurso de minha vida venho me esforçando conscientemente para me tornar uma pessoa sábia e iluminada, capaz de encontrar a sabedoria nas coisas mais simples.

Dentro dessa missão divina que me foi incumbida desenvolvi a técnica de meditação do novo milênio que envolve, basicamente, 37 xícaras de café, internet e tempo contemplativo. O café vai abrir seus chacras (ui) de forma que toda a informação ai entrar de forma caótica em seu cérebro e permitir que você tenha um lapso de iluminação.

Recentemente encontrei essa tirinha.

A tirinha em si é muito boa, trata-se de uma tirinha feita por um matemático e que possui uma temática primordialmente nerd e um pouquinho de romance.

Pois bem, o autor levou a sério a idéia de montar uma piscina de bolinhas no quarto dele. Porque ele achou legal.

Dentre as fotos que ele postou no post acima linkado, existe uma da piscina de bolinhas com os cantos com cores específicas.

Segundo o autor, basicamente, para se obter esse resultado, tudo o que você tem que fazer é, ao invés de procurar as cores que você quer, apenas se livrar das que você não quer. Por uma questão lógica, dentro de um intervalo de tempo razoável, o seu canto da piscina tende a ser preenchido pelas cores que você quer.

Os fundamentos de tal estratégia são simples: em primeiro lugar, dado o ambiente caótico da piscina de bolinhas, conforme você retira uma bolinha da cor que você não quer, outra bolinha tomará aquele lugar. Essa bolinha pode ser de uma cor que você quer ou não. Se não for, é só se livrar dessa nova bolinha até que fique uma que você quer.

A estratégia oposta seria a de se procurar ativamente as cores que você quer. Porém isso envolve obviamente dois trabalhos: encontrar as cores e substituir as que você não quer pelas que você quer. Fora que encontrar as cores que você quer tende a ser mais trabalhoso.

Na vida nós estamos sujeitos a uma série de fatos, coisas e pessoas que, muitas vezes, não são aquilo que nós queremos para nós. Inclusive, é o sonho de muitos seres humanos construir algo maior e duradouro que faça alguma diferença na sociedade. Criar uma grande mudança é o sonho de muitos.

Em uma situação micro-cósmica, da mesma forma, tentamos construir nossa felicidade. Relacionamentos humanos, sociais, econômicos e tudo o mais.

Na tentativa de buscar a felicidade macro e micro-cósmica, nos deparamos com o mesmo paradoxo da piscina de bolinhas: podemos tentar construir algo substituindo algo que existe, ou apenas definir claramente o que não queremos.

Ou seja, você pode não ser capaz de construir algo que você quer… mas com certeza é capaz de destruir algo que você não quer.

Ou seja, da próxima vez que você estiver infeliz com algo que você acha que deve mudar, ao invés de tentar construir algo bom, destrua o que é ruim.

É mais rápido, mais fácil e mais divertido.

Foram necessários milhões de dólares e centenas de trabalhadores pra construir o World Trade Center. Precisaram de oito árabes pra destruir.

Advertisements

§ One Response to O Teorema da Piscina de Bolinhas – Um Post à Moda Antiga.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading O Teorema da Piscina de Bolinhas – Um Post à Moda Antiga. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: