If you have to ask… you’re not ready to know. – Ou: “Aventuras de um Paranóico.”

October 17, 2009 § 4 Comments

É fato que 85% da comunicação humana é não-verbal.

Aqueles que me conhecem sabem que eu sou… detalhista. Ou, sem eufemismos, paranóico mesmo.

Hoje eu acho que não conseguiria ser diferente. Virou parte de mim. E não posso reclamar também… é uma diversão e tanto.

As interações começam a virar um balé… ou uma arte marcial. Como se fosse um balé intangível.

E é exatamente isso… é quase…visível.

Obviamente tem seu lado ruim… por exemplo, uma ex-namorada me beijava só com 2/3 do corpo: cabeça e tórax. A Cintura ficava láááááááááá atrás.

E isso era uma coisa extremamente incômoda… meu… é horrível estar com uma pessoa que está 2/3 com você.

Por outro lado… o que faz ser gostoso estar com alguém?

Obviamente existem os fatores objetivos, aqueles que independem da relação e são concretos a todo momento: Se a mina é gostosa, é gostoso estar com ela.

PONTO.

Tetinhas são uma coisa legal, pele é necessário e eu ainda sustento o fato de que vagina em alguma espécie de anestésico tópico: você coloca a mão e o mundo todo fica macio, confortável e acolhedor.

Ou seja, pessoas bonitas tem uma vantagem em relacionamentos afetivos inicial.

Admitam… eu fiquei bem no meu uniforme de Capitão Óbvio, né?

Agora… as pessoas que não nasceram privilegiadas pela natureza… bom… elas não tem a vantagem inicial… mas podem superar esse pequeno contratempo.

Existem várias coisas que tornam uma pessoa mais atraente que outra… inúmeras passíveis de serem treinadas. Mas uma eu acho a mais interessante de todas:

As pessoas gostam de estar com alguém que as faz se sentir bem.

(O Capitão Óbvio ataca novamente!)

Eu sei que parece simples e óbvio, mas me respondam uma coisa: quem aqui nunca disse/ouviu/soube de alguém que disse a famosa frase: “Eu te amo, fica comigo!”

Então, isso é idiota.

Uma pessoa que quer ficar com outra porque essa outra pessoa a ama está ficando por carência, orgulho, vaidade, ou qualquer outra coisa que não justifica.

A frase correta seria: “Você me ama, fica comigo!”

Porque se você quer que alguém goste de ficar com você, faça essa pessoa se sentir bem.

Não estou falando de lamber o chão que ela pisa: ninguém gosta de de pessoas servis (quer dizer, pessoas autoritárias gostam, mas se você gosta de pessoas autoritárias, me fale sobre seus pais).

E exatamente essa é a questão: não estou falando que exista uma forma correta de fazer bem para as pessoas. Eu acho que é uma mistura de atenção com desatenção. Um troço meio taoísta, saca? Cheio e vazio, zero e um, liberdade e atenção.

Como fazer isso eu não sei… não acho que exista uma fórmula mágica pra isso… e nem acredito que a resposta pra essa questão seja verbal.

Eu sei que parte dessa resposta é ser 100% com as pessoas. Estar lá com paixão. De corpo e alma.

Outra parte é que se você quer que as pessoas gostem de você e queiram te agradar, faça bem a elas. Seja como um sol e, de repente, quando você menos esperar, vai estar no centro do universo.

Como fazer isso são outros quinhentos…

Mas que é possível, isso é: tem gente que consegue.

Advertisements

§ 4 Responses to If you have to ask… you’re not ready to know. – Ou: “Aventuras de um Paranóico.”

  • sil s. says:

    Você estava claramente bêbado quando escreveu isso.

    Like

  • Anarcoplayba says:

    Asamatteroffactly: apenas sonolento.

    Like

  • Nane says:

    E como tem gente que consegue!

    Volte sempre ao nosso blog. Fique a vontade.

    Nane

    Like

  • Hipotérmico says:

    É fato que 85% da comunicação humana é não-verbal.
    Também é fato que 72% das estatísticas são inventadas! =D

    Sabe, é engraçado como as vezes não importa onde vá, ou ao que se exponha, sempre acaba vendo a mesma coisa. Você diz “Não estou falando de lamber o chão que ela pisa” e eu leio “Desista da santidade”. Quando diz “não estou falando que exista uma forma correta de fazer bem” é “desista da sabedoria” que eu entendo. E o tom do post conclui o adagio: “e tudo será 100 vezes melhor para todos”.

    Não se envergonhe da capa de capitão óbvio, a experiencia transcedental quando posta em palavras….

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading If you have to ask… you’re not ready to know. – Ou: “Aventuras de um Paranóico.” at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: