Sobre Karatê Kid e Minha Vida.

June 19, 2010 § 2 Comments

Porque eu sou o centro do meu mundo…

E esse blog é meu diário…

E se no fim eu conseguir fazer algo de bom pelos outros, bem… que bom para os outros.

Karatê Kid é um filme que marcou uma geração. E eu estou falando do Karatê Kid, não do Kung Fu Kid.

No filme, Daniel Larusso (Ralph Macchio) é um garoto que sofre constantes agressões de outros garotos e que recebe do Sr. Myagi (Pat Morita) ensinamentos de Karatê para aprender a se defender.

Sr. Myagi informa no início do treinamento que não está aberto para discussões sobre didática e começa o treinamento mandando Daniel-San:

Encerar carros:

Lixar o chão:

Pegar moscas:

Pintar cerca:

A década de 80 foi pródiga em filmes de luta, com todas as cenas de treinamento e tal, mas o realmente marcante em Karatê Kid foi que o treinamento era bizarro, para dizer o mínimo. O Mestre mandando o Discípulo fazer coisas surreais, que, na melhor das hipóteses, parecem besteira, ou que o Mestre está só se aproveitando do discípulo.

Daniel, como imaginado, se sente ofendido e informa ao mestre: bullshit, I’m going home!

Nesse momento, Senhor Myiagi mostra para que foi o treinamento até o presente momento.

A partir daí a coisa muda de figura.

***

O fato é que perceber que temos problemas é fácil.

Era fácil perceber que Daniel San apanhava. Ele, huh, apanhava. É fácil perceber que você sofre, você, huh, sofre.

Sim, é verdade, tem um monte de gente que nem percebe que apanha, fato. Mas esse não é um grande problema pra mim, pelo menos: Percebo alguns vícios de comportamento meus, e tenho o que trabalhar. O dia em que eu corrigir todos eles, eu me preocupo em encontrar os novos.

Como disse uma sábia ex-namorada: Cada dia com sua agonia.

Mas se reconhecer o problema é o primeiro passo para a solução, de nada adianta não ter o segundo passo.

Tipo assim, ter um passo só é meio que um saci e tal, e nunca tem uma mudança real. O objetivo permanece a uma longa distância, nitidamente visível, mas sempre fora de alcance.

E a grande verdade é que se você tem um problema e a solução que você usa não resolve o problema, você tem que mudar de solução.

Se você apanha, sabe que apanha, e não consegue resolver esse problema sozinho, mude o enfoque: procure um mestre.

E a parte engraçada é exatamente essa: corre o risco de te mandarem lixar o chão, pintar uma casa, pegar moscas com hashi, etc, etc, etc…

E sim, você fica meio clueless, sem saber pra quê que aquele troço meio bizarro serve. Ocasionalmente você pensa que estão é te fazendo de bobo mesmo…

Mas aí, quando você menos espera, o padrão até então escondido salta aos olhos, e você consegue perceber, entender… Sentir mesmo, daquela forma pré-mental, que aqueles exercícios fizeram toda a diferença e que você não está parado, ao contrário: aqueles pontos que você fortaleceu estão ganhando vida própria, autonomia, relevância…

E os pontos isolados, ficando mais numerosos, denotam linhas de raciocínio, planos de vida, volume de personalidade, e, subitamente, aquela situação eterna no passado é passageira porque… passou.

Como dito pelo Sr. Myiagi: Tudo o que você precisa é um pacto: alguém se compromete a ensinar, alguém se compromete a aprender.

Sem perguntas.

Advertisements

§ 2 Responses to Sobre Karatê Kid e Minha Vida.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Sobre Karatê Kid e Minha Vida. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: