Contos dos Irmãos Grin – O Sapo e o Escorpião. (Vergonhosamente copiado de um livro de RPG.)

November 21, 2011 § 59 Comments

Certa vez, um Escorpião aproximou-se de um sapo que estava na beira de um rio.

O Escorpião vinha lhe fazer um pedido: “Sapinho, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?”

O Sapo respondeu: “Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralizado e vou afundar!”

Disse o Escorpião: “Isso é ridículo! Se eu o picasse, ambos afundaríamos.”

Confiando na lógica do Escorpião, o Sapo concordou e pediu que o Escorpião subisse em suas costas para atravessar o rio.

No meio do rio, o Escorpião cravou seu ferrão nas costas do Sapo que, atingido pelo veneno e sentindo seu corpo se paralisar, voltou-se para o escorpião e perguntou: “Por quê? Por quê você fez isso?”

E o Escorpião respondeu: “Por que sou um escorpião e essa é a minha natureza.”

O Sapo então respondeu: “Mas você é um tolo? Agora nós dois morreremos! Eu pelo veneno e você afogado!”

E o Escorpião respondeu: “Seu Sapo… Eu sei nadar!”

Advertisements

§ 59 Responses to Contos dos Irmãos Grin – O Sapo e o Escorpião. (Vergonhosamente copiado de um livro de RPG.)

  • Nina says:

    Tão complicada essa coisa de “natureza”. “Essência”. Ainda mais quando estamos no âmbito dos seres humanos.
    Ainda mais quando você pensa em construir um mundo bem melhor.

    Like

    • Lucas says:

      Difícil, mas nesse caso penso na “natureza”, essência” de um psicopata. Geralmente a natureza dele é fazer o mal, não ter remorso.

      Like

      • Nina says:

        Pois é… fico me perguntando se o conto não justifica a ação do escorpião pelo fato da mesma fazer parte “da natureza” dele.

        Like

      • Nina says:

        Se assim, o comportamento do psicopata poderia ser justificado também, afinal, tadinho, é a natureza dele. A amígdala dele não reage.

        PS: Amígdala: estrutura cerebral relacionada ao medo e a aversão. Pesquisas demonstram que os cérebros de sociopatas presidiários (estilo serial killers), essa estrutura não reage frente a cenas de morte, dor e sofrimento (o “normal” é ter uma reaçào nessa região).

        Like

      • Lucas says:

        “Se assim, o comportamento do psicopata poderia ser justificado também, afinal, tadinho, é a natureza dele. A amígdala dele não reage”

        Não, o Direito Penal sempre se dividiu em relação ao psicopata. Por muito tempo, eles eram classificados como loucos, por isso eram encarcerados em manicômios judiciários. Com o tempo, foram enquadrados como pessoas que agiam com total consciência do que estavam fazendo, racionalizavam suas ações; porém não tinham a capacidade de sentir pena ou remorso. Fazem qualquer coisa para alcançar o que querem. A partir de então, psicopatas, ao cometer um delito, cumprem pena em regime fechado no presídio e não em manicômio.

        Like

  • Anarcoplayba says:

    Pergunta 1: Vocês conhecem a lenda original?
    Pergunta 2: Vocês concordam que se apenas o final foi alterado, a mensagem está no final?
    Pergunta 3: Se eu falasse que o Sr. Sapo matou toda a família do Sr. Escorpião e o Sr. Escorpião fez um voto de vingança, mudaria alguma coisa?

    Like

  • Fy says:

    Taí . hahaha – Escorpião é bicho d’água : com mais e mais silêncio, quietude, umidade. Quando o mundo passa pelo terreno do Escorpião, deve fazê-lo com respeito… louco ? ah, é quase como quase dizer que é louca a água, por esta histérica necessidade, que a possui como ideia fixa, de obedecer somente ao seu próprio peso…”

    … bom é avaliar a natureza das pessoas e os motivos que as levam a concordarem com você ( a negociarem com voce ). Não faça concessões que você sabe excessivas ou desnecessariamente arriscadas. Até porque … conceder demais é destilar veneno próprio… – desconfia-se . – e o sapo , ah … é protagonista do revertério .

    … porque a elaboração de uma modalidade de conduta ética em relação a si mesmo é um antídoto poderoso, certeiro. Zaratustra disse, Yoda repetiu.

    Lembrei daqui :

    – Vc é sabida? Eu sou sacana. –

    Vc não alterou o final, só esticou a última cena.

    Bj
    Fy

    Like

    • Anarcoplayba says:

      Como diz um amigo meu: Escorpião é um signo feminino de água fixo (o que é meio redundante pois todo signo de água é feminino – de terra tbm): Feminino> quer segurança. De Água> Emocional. Fixo (ou centrípeto)> Acumula.

      Escorpião gosta de acumular segurança emocional…

      Mas admito que eu não estava me preocupando com astrologia quando verti para cá algo que li tempos atrás. A parte legal mesmo é a questão de onde o sapo coloca a segurança dele: numa ameaça ao outro…

      E se vc encontra um Kamikaze pela frente (ou alguém que sabe nadar), bye bye segurança.

      E… dando um passinho adiante… “Eu sei nadar” é uma metáfora muuuuuuuuiiiiiiiito melhor pra minha velha metáfora “Eu sei voltar pra casa”.

      Like

  • Gueixa says:

    Eu penso que conheço a lenda original.
    Mensagem? Escorpião terá que nadar. Poderia ter nadado desde o início.
    Quanto à uma possível justificativa para a ação do escorpião, Nietzsche também já disse : isso não faz a menor diferença. Seremos lembrados por nossas ações, independente do que sentirmos em relação a elas ou à sua motivação.
    Não interessa o que sentimos e sim o que fazemos.
    E aí? O que fazemos é determinado por nossa índole ou por nosso caráter?

    Like

    • Fy says:

      Depende, Gueixa do que vc entende por índole e por caráter.

      Me pareceu que índole é um fator negativo e caráter um normatizador conveniente e moldador . Eu só conseguiria avaliar o caráter de alguem à partir de sua índole.

      Em relação ao sapo e o escorpião, – uma fábula é um conto em que as personagens falam sendo animais e que há sempre uma condenação ou exaltação “moral” nos atos , privilegiando sempre aquela personagem que se adequou aos sistemas de valores conforme a conveniência geral de alienação .

      Enfim , fábulas são instrumentos de coação e ameaça em forma narrativa, onde escolhe-se criteriosamente a virtude dos bonzinhos , divinizando-se sempre a bondade em forma de submissão ou idiotice .

      Qualquer escrito de Nietzsche, ondeia em uma única linha de pensamento: a denúncia vibrante à moral estratégica que valoriza o fraco, o menor e o medíocre. – Pelo contrário > ele “alerta” sobre o perigo que eles representam. Sem nenhum temor em relação à mesquinhas interpretações, Nietzsche categoriza estas “disfunções” como caraterísticas do caráter dos “escravos”, legando a esta palavra um sentido outro, quando inserida em sua filosofia.

      Na metáfora desta fábula, o herói, para os mais distraídos, é a Vítima Sapo.

      … não é assim q os espertos tiranizam ? – isto é tão ocidental e antigo : endeusando a fraqueza , enaltecendo o vitimismo , divinizando o coitadismo e assim “regularizando” seu Poder ?

      O Anarco, resume A Genealogia da Moral: Nietzsche > nesta única frase :

      A parte legal mesmo é a questão de onde o sapo coloca a segurança dele: numa ameaça ao outro… Ah… – [ bri-lhant : man ! You save the text ! ]

      Mas o q explica Nietzsche, em seu roteiro anti-HarHar ? [ Lippy & Hardy ]

      Explica , sem “rodeios hipnotizantes” que “a medida de todas as coisas” é mesmo a força, sutil ou violenta. [ sem cair na idiotice que transfere o sentido de Moral para Submissão e deturpa o sentido real de Força ] .

      É ela que se encontra por detrás da idéia exposta no Assim falou Zaratustra de que “não há paga nem pagador” (e que desmente o dito popular: “Aqui se faz, aqui se paga” > e tb altera o sentido da frase que vc citou – que no contexto de Zaratustra é outro ] .

      Diz ele na Genealogia da moral que “a ação é tudo” e não vejo, – e “realmente” não há – inconveniente em dizer que a força é tudo, pois é ela que fundamenta a Ação. [ e não a re-ação… ]

      Não nos esqueçamos de que o fraco se denuncia pela sua dificuldade em agir. [ e se escora na ameaça , e esta é sua “força” tão “vingativa” …tão mentirosa .]

      Uma das maiores frases de Nietzsche é esta :

      “ É preciso sempre defender os fortes contra os fracos . ”

      O “escravo” de Nit é um coitado, um molenga , sem vigor, excitável apenas ao contato com a vida alheia. Adora mexericos de toda espécie e desenvolve técnicas especiais de vingança que são sua única manifestação de poder. [ o escorpião… é outra coisa – outra definição q tb merece um cuidado em compreender ] O medíocre tenta apropriar-se do desejo do forte aproximando-se dele, forçando uma intimidade; como se fosse possível uma osmose de nobreza, de amor por si mesmo.

      Foi esta a tentativa do sapo… criar uma situação íntima e comum entre ele e o escorpião : a morte por afogamento .

      Só o contato com o forte pode salvá-lo de sua infelicidade, só vampirizando mesquinhamente ele tem alguma impressão de poder .

      Eu lí o texto desta forma, talvez um pouco diferente do conceito banal e comum do istoépecado, e fazeristoéfeio. O escorpião é uma metáfora surpreendente : é a Vida tal como ela é . Um fluxo que não espera e nem para diante de “moralidades fabricadas” por toda parte , e fundamentadas na oportuna reversão dos valores e das avaliações , … por toda parte as coisas vistas pelo seu lado pequeno , as imagens revertidas como no olho de boi .

      – assim o fraco ilude o forte – e assim ele se justifica :

      Bj

      Super post, Fighter !

      Fy

      Like

      • melissa says:

        “o escorpião… é outra coisa – outra definição q tb merece um cuidado em compreender ”

        Fy, muito bom o que vc escreveu.

        Mas, ficou uma dúvida: como posso compreender o escorpião?

        Like

      • Fy says:

        Yep, Melissa, go on, – for you & for me, cause this text thief stole my attention too.

        Antes de saber como compreender o escorpião, hahaha > that is a wavy trip!?

        eu pensei em como definí-lo, sem esta identificação scorpion creepyboy X frog poorboy > que é tão clichê , bordadinha e cristianizada. [ os irmãos Grimm tiveram suas fábulas alteradas pelo moralismo eurocentrico da politicagem economica-cristã ]

        Foi assim q eu lí o texto do Anarco, escrito em copyleft , abrindo um túnel de interpretações livres e blablablás . Senão… penso q ele teria escrito alguma passagem similar segundo algum “são” qq coisa, e não uma fábula à la Gayman.

        [ – Hey man , judieira vc não querer viajar nos simbolismos da astologia… ia ser um boom de comments ! – ]

        Mas , pra não fugir do point que ele evidenciou, eu diria q nesta levada o Escorpião nada mais é que o Imprevisto.

        A virada da “surprendência” – a surpresa esperta que vc esqueceu de prever. Aquilo q é mto rápido, ou q se atrazou demais. Masq de qq forma, te superou . Um trickster pagão, acima do bem ou do mal . Uma sem-escolha , que não marca hora.

        Ao contrário do q parece contrário, o escorpião é a mais. É o q te provoca, o que chama tua esperteza, o q te modifica, e o que pergunta.

        Na astrologia, – help me man – é o signo da sensualidade Real, antigamente representado pela Serpente : sábio animal colado à terra , serpenteia , conhece e ondula em seus segredos out/time.

        Eu adoro esta sofisticação meio inexplicável , e bastante inclassificável de quem não faz mta questão de ser compreendido .

        Então, taí: deve ser alguma coisa q ensina a sair do entediante e comum manual de ser demasiadamente e decoradamente, ah… quase profissionalmente : humano .

        Uma confusão entre Merlin e Macbeth, quase igual às performances do Johnny Depp .

        He’s a Jocker, maybe.

        Bj
        Fy

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Por partes (meu toc de virginiano).

        1) Repito aqui o que me falaram há algum tempo: você não coloca o conhecimento na sua cabeça, senão só cabe o que for menor que ela. Você abre a sua mente pro conhecimento. Nesse sentido, tentar falar de Astrologia é algo beeeeeem tenso, porque é colocar em palavras algo que é muito maior que palavras…

        Mas temos que começar por algum lugar, né?

        2) Sobre o Signo de Escorpião: Escorpião é um dos três signos de água (seu elementosão as emoções). Câncer é a água Cardinal (expansiva), Peixes é a Água Mutável (influenciável) e Escorpião é a Água Fixa (como disse o Lívio brilhantemente em outra discussão: num vetor centrípeto). Se câncer quer expandir os sentimentos, colocando o mundo debaixo de sua asa, Peixes se perde em sentimentos (como peixes em correntes marítimas)… Mas Escorpião usa. Aplica. Concentra. Acumula.

        Os signos de água, por serem muito “sensíveis” são meio covardes. Têm certo medo de se machucar. Enquanto Câncer protege (a si e aos outros), Escorpião Ataca.

        A Defesa do Escorpião é o Ataque. E qual o ataque do escorpião? Um ferrão envenenado. Um ataque concentrado. Foco.

        Escorpião (assim como Áries) é regido por marte. Mas eu ACREDITO (ainda tenho que provar) que as regências duplas tem características vetoriais opostas. Traduzindo: Um expande e outro concentra. Áries é a Energia de Marte expandindo (explodindo) Escorpião é a energia de marte concentrando (penetrando).

        Escorpião não faz barulho. Não grita. Não dá escândalo (a não ser que faça parte de um plano). Áries explode e dissipa. Escorpião acumula e concentra.

        Outra cosia que é legal de analisar são os glifos (símbolos) de Virgem e de Escorpião. Ambos são um “M”, mas o “M” de Virgem é pra dentro, o de Escorpião é pra fora.

        Virgem é a análise teórica. Escorpião é a análise aplicada na prática. O Conhecimento é um meio para um fim.

        Essa capacidade de análise tende a levar Escorpião a ser um bichinho investigativo. Ele quer saber o que está por trás do que está por trás do que está por trás… porque se ele souber o Mundo, ele estará seguro.

        Nesse sentido, Escorpião é o signo da Morte (o último mistério da vida, não?). Ele rege a casa 8 (casa das perdas) e rege o Arcano da Morte no Tarot.

        Por isso é o signo dos mistérios. Daquilo que está velado. É o signo com um pé na vida e outro na morte.

        Eu ainda gosto de pensar em Escorpião como o Signo da Terra no Mar. Onde está a Terra no mar? No Fundo. Onde todos os cadáveres se acumulam. Escorpião é o signo do Abismo. E no abismo tem uns peixes que parecem monstros, né?

        Por fim, mas não menos importante, Escorpião rege os genitais e o sexo. Então, quando eu penso no sexo de Escorpião, invariavelmente eu penso na Sasha Grey. Acaba sendo a sexualidade intensa, que quer testar os limites, ir mais fundo, sem freios.

        Aí, olha só: A gente falou de escorpião, falando de áries, virgem, câncer e peixes, passando por marte e pelas fossas abissais… tem coisa aí pra colocar, né?

        4) Até onde eu sei, Fy, Escorpião estava associado antigamente (beeeeeeeeeeem antigamente) à Águia proque, para os caldeus alguns milênios antes de cristo, a constelação que estava onde hoje está a de escorpião (precessão dos equinócios e stuff) era a de Águia.

        Dá pra ver que tem uma certa correlação, né? Qual a Força da Águia? Ir até onde poucos vão no alto do céu, analisar tudo, e dar um mergulho com as garras que resolve toda a questão. Troque Alto do Céu por Fundo do Abismo, troque garras por ferrão e dá na mesma.

        A serpente tbm tem um tanto a ver (o bote). Símbolos para o mesmo tema…

        5) Já que falamos em Gaiman… ele tem um livro sobre um outro Aracnídeo… Anansi Boys… No qual fala-se sobre Anansi, o Grande Deus Aranha da Trapaça.

        É interessante como todas as histórias contadas procuram crucificar o traidor/trapaceiro. Ops. Má metáfora. Elas procuram condenar o trapaceiro. O Demônio é o Rei das Mentiras, Loki é o Príncipe das Trapaças e por aí vai…

        Isso porque os trapaceiros roubam de nós nosso maior bem: nossa segurança. Nossos planos. Eu já postei aqui, mas n tenho acesso ao youtube do escrit, mas a cena do Coringa falando com o Duas Caras no hospital é antológica: “I take your plans and turn it against you.”

        E isso assusta. A Aleatoriedade, a Anarquia é assustadora. TODA a tentativa de conhecimento científico é sobre normatização do mundo. E se de repente, isso ofende nossos mal-estabelecidos sensos de justiça, a gente fica condena.

        Novamente, vem a questão: faz diferença se o Sr. Sapo matou a família do Sr. Escorpião?

        Uma amiga minha ligou pra um flerte pra perguntar “o que ele queria com ela”. Eu disse que era a pergunta mais inútil da face da terra: Ela estava dependendo da sinceridade de alguém que poderia mentir e simplesmente falar “na hora era verdade, mas eu mudei de idéia”.

        O que ela queria era meramente ser reassegurada.

        Onde eu retomo mais uma vez a brilhante frase Norte-Americana: Se você precisa perguntar, você não está pronto pra saber.

        6) Agora… diante de todo o debate… se eu tivesse que resumir a moral da história, eu diria: “Saiba nadar.”

        Só quem sabe nadar pode ser livre para seguir a verdadeira natureza. Só quem sabe voltar pra casa pode viajar.

        Like

      • João Pedro says:

        ahahahahah….

        You write, man!

        volto depois pra te falar este lance da serpente.

        Eu quase sei sobre o escorpião-águia.

        peraí.

        – isto foi mto bom.

        bj
        Fy

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Whoa… João Pedro!?

        o.O

        Like

      • Fy says:

        ah… corrige ou apaga : eu recoloquei um vpideo do JP no meu blog > e não troquei o endereço…. aquário….

        táqui, certinho :

        ahahahahah….

        You write, man!

        volto depois pra te falar este lance da serpente.

        Eu quase sei sobre o escorpião-águia.

        peraí.

        – isto foi mto bom.

        bj
        Fy

        como vc tá colocando youtube no seu ?
        aqui sai nos comments, no meu não .

        Like

      • Betina says:

        FY,

        E como vc coloca o vídeo do youtub já aberto no comment, como vc fez no comentário acima com o vídeo Lippy e Hardy – Laskk.. Eu só consigo colocar o link.

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Eu costumo colar o link puro e o WordPress faz o resto.

        Like

      • Fy says:

        Anarco, só mesmo pra ilustrar, pq eu fiquei curiosa,

        eu não achei ainda, to procurando , o livro q fala bastante sobre este lance da serpente ter sido o 1º símbolo do escorpião.

        É muito interessante a analogia, e mto – mto antigo antigo.

        Mas olha q legal … e atual :

        A Polêmica do 13º Signo

        Paulo Araújo Duarte. Professor de Astronomia do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Catarina.

        ——————————————————————————–

        Nos últimos tempos, temos visto alguma polêmica e alguns mal-entendidos no que diz respeito aos signos do zodíaco e às constelações que o mesmo contém. Na verdade, não devemos fazer confusão entre signo e constelação zodiacal. Os signos, em número de doze, correspondem cada um à divisão de 30 graus do círculo zodiacal ( 360 /12 = 30), os quais recebem o nome da constelação mais significativa daquela região do céu conforme os povos antigos que criaram tal concepção de organização estelar, e que a Astrologia adotou e ajudou a popularizar. As constelações sempre tiveram, desde a época das civilizações mais antigas, a importante função de dar uma organização ao céu, facilitando sua leitura e ajudando na identificação dos astros. Sempre representaram uma verdadeira cartografia do céu. Acontece, contudo, que até o início deste século, a delimitação das constelações não respeitava um critério padrão, existindo cartas celestes com limites irregulares, além de arbitrários e ainda com algumas linhas curvas. Havia também mapas e globos celestes com configurações artisticamente elaboradas, sem a precisão do rigor científico, como ainda constelações que eram identificadas por linhas arbitrárias que interligavam suas estrelas. Foi a partir de 1922, quando da criação da União Astronômica Internacional (UAI), que o conceito de constelação começou a mudar e surgiu Ofiúco (Ophiucus) como uma 13a constelação zodiacal. Durante a assembléia geral da UAI em 1925, em Cambridge, foi criado um grupo de trabalho para estudar a questão das delimitações das constelações, surgindo daí a proposta de criação de regiões na esfera celeste, tal como um país dividido em estados. Assim, a esfera celeste foi dividida em 88 regiões, também chamadas constelações, com tamanhos variados e delimitações bem definidas e retilíneas. Cada região recebeu o nome da principal constelação nela predominante e todas aquelas cortadas pela linha da eclíptica (linha que no céu, vista da Terra, representa o caminho percorrido pelo Sol durante o ano) passaram a ser consideradas zodiacais. Convém explicar que o zodíaco é um círculo ou faixa de 17 graus no céu, que abrange toda a esfera celeste e que tem no centro a linha da eclíptica. Foi desta forma, então, que o zodíaco acabou por ser premiado com 13 regiões ou constelações, que são: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Ofiúco, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes. Convém salientar novamente que para ser considerada zodiacal a constelação deve ser atravessada pela linha da eclíptica, ou seja, o sol deve cruzá-la ao longo do ano. Acontece que depois de passar por Libra e Escorpião, o sol cruza Ofiúco de 30 de novembro a 17 de dezembro, antes de entrar em Sagitário. Porém, esta passagem do sol por Ofiúco não é considerada pela astrologia. Do modo como foi organizado o céu pela UAI, todas as treze constelações ocupam espaços diferentes ao longo da linha da eclíptica, o que significa dizer que a divisão do zodíaco em doze signos de trinta graus cada um é puramente arbitrária e segue apenas a tradição dos povos antigos. Ofiúco é uma constelação um tanto extensa, sendo conhecida também por Serpentário. Na mitologia grega, este agrupamento de estrelas estava associado a Esculápio, deus da medicina. Segundo a lenda, Esculápio passou a dedicar-se à arte da cura após ver uma serpente ressuscitar outra com algumas ervas que trazia em sua boca. Esta é, inclusive, a origem do símbolo das ciências médicas: duas serpentes enroladas num bastão. Ainda sobre esta constelação, diz-nos o saudoso professor Amaro Seixas Netto:

        “Em realidade, o Zodíaco atual tem treze constelações. Desde 1952, temos adotado esta Constelação Zodiacal em nossos estudos, criando assim o Zodíaco perfeito e exato sobre a Eclíptica. Esta descoberta decorreu duma análise profunda do curso do Sol zodiacal, e deste modo propusemos a sua notação na Faixa Zodiacal bem como criamos o seu signo, publicado na Imprensa para registro. Pode observar-se que o Sol, no Zodíaco, percorre pequena parte do Escorpião e logo entra no Ofiuco, para depois ingressar em Sagitário.” SEIXAS NETTO, A. O zodíaco. São Paulo : Editora do Escritor, [19–]. p. 60.

        Para alguns astrólogos, a polêmica a respeito da existência de um 13° signo não faz sentido, haja vista que não são as constelações lá no céu que influenciam os seres aqui na Terra e sim energias cósmicas que tomam como referência os signos tradicionais. Há também opiniões que procuram justificar que tanto a cobra (Ofiúco) como o escorpião são animais que trocam de pele, indicando uma personalidade sujeita a grandes flutuações, e que, neste caso, Ofiúco vem a ter o mesmo significado astrológico de Escorpião. Portanto, apesar de termos 13 constelações zodiacais, com a inclusão de Ofiúco, a divisão do zodíaco em doze signos, para efeito da astrologia, segue a antiga tradição e não precisa levar em consideração as mudanças estabelecidas pela UAI, o que muitos astrônomos consideram uma imperfeição. E como a divisão do zodíaco em signos não apresenta nenhum interesse prático maior para a astronomia, o surgimento de Ofiúco como região zodiacal em nada deverá abalar as crenças e os estudos astrológicos, pois os astrólogos sabem que suas concepções não partem das constelações e sim dos signos, que são meras convenções.

        Olha… eu devo ser meio burra, pq achei isto bastante confuso…

        qdo vc tiver tempo, le e me explica

        bj

        Fy

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Não tem grande mistério, Fy… de forma simplificada: Nada é estático. Tudo se move. Inclusive o Céu.

        A Terra tem vários movimentos: rotação, translação, precessão e outros. Rotação é fácil (rodando), translação tbm (circulando o sol) a precessão dos equinócios é um tiquinho mais complexa: sabe o movimento que um peão faz quando está quase caindo (lembre-se de inception), que el começa a ficar bambo, meio bêbado? Então, isso é precessão.

        Os planetas e o sol (para todos os efeitos) são meio constantes pra Terra: a posição deles pra gente depende da rotação e da translação da Terra. Ou seja, os planetas estão fazendo o mesmo caminho.

        Esse caminho é a faixa do céu que a gente chama de zodíaco.

        Pra ficar mais fácil de localizar, pegamos as constelações que estão nessa faixa, daí que vem o “pão com manteiga” da astrologia: onde os planetas estão.

        Alguns povos antigos usavam as estrelas porque ela pareciam paradas e, oras, é o mais à mão que existe. Outros foram mais criativos e usaram marcos REALMENTE parados. Tipo o Stonehenge.

        Então, o que acontece, a paisagem da estrada por onde os planetas caminham mudou. Antes eram algumas estrelas que eram o pano de fundo. Hoje são outras. É como se alguém pegasse a estrada pra sua casa e plantasse umas macieiras no caminho. A paisagem mudou, mas o caminho, a rigor, é o mesmo.

        Enquanto estamos aqui, vc pode me perguntar: “Tá, se as constelações não são o mais importante, nem são corretas, porque escolheram as 12?”

        Talvez tenha um significado místico… numerológico… o cacete a quatro. Mas, pra mim, a explicação é outra: Pros antigos, nas medições deles, o sol demorava 360 dias para sair de um lugar e voltar ao mesmo lugar. Então, o sol dava um passo por dia e demorava 360 dias para completar o ciclo. Um grau por dia. Daí que vem a divisão de um círculo em 360º.

        E dentro desses 360, cabem 12 meses de 28 dias. Sobra uma caquinha, mas não é muito. E por quê 28 dias? O ciclo da lua.

        Então nós temos um ciclo grande dividido em 12 ciclos pequenos. Dê um nome pra cada um desses ciclos, e estamos bem.

        Like

    • Anarcoplayba says:

      Centavos sobre tudo o quanto dito:

      1) O livro que eu estou lendo há meses, “A Lógica do Cisne Negro” (fuuuuuuuuuuuuuuuuuu…) expõe um conceito muito legal (que foi tocado no Formspring) que é o conceito de “Falácia Narrativa” a gente pode conceituar a “Falácia Narrativa” como uma tentativa de adequar os fatos do mundo a uma Razão nossa pré-existente. “Faz diferença se eu falar que o Sr. Sapo matou toda a família do Sr. Escorpião?” é uma pergunta que joga um pouco disso no ventilador: queremos uma justificativa para um fato aleatório.

      Nesse sentido, talvez o que chamamos de índole ou caráter seja uma pressuposição dada com base em eventos externos e, portanto, superficial.

      Me lembrou agora o episódio no Chapolin no qual um cientista maluco tira a vela do candelabro e uma passagem abre. Ele demonstra isso algumas vezes até que falha, qo que ele grita: “Pepe, retirei a vela!” e mostra que o sistema é um gordinho abrindo a porta toda vez que ele retira a vela.

      Nesse sentido, analisar os outros e o mundo possui sempre a chance de ser uma tentativa pífia, uma vez que há o risco de imprimirmos em fatos nossas falácias narrativas.

      2) Isso não significa que eu vá parar de analisar o mundo. Dá certo. Funciona. Eu costumo falar que 95% dos seres humanos são 95% animais (um amigo meu fala que eu sou otimista). Vale lembrar que estar nos 5% que não são 95% animais tbm não é grande coisa (“Yay! Eu faço parte da minoria de 1% que é 82% animal!”).

      E quando eu digo animal, não é (nesse sentido) um julgamento de valor no sentido de ruim ou bom, mas meramente no sentido de que “Animais respondem a estímulos.”

      Você ensina um cachorro a dar a patinha, um macaco a fumar, uma orca a virar prancha de surfe e por aí vai. Mesma coisa com 95% das pessoas. Portanto, infelizmente, vale à pena se debriçar sobre isso.

      3) Esse conceito de que “não há paga nem pagador” é uma das coisas mais deprimentes da realidade, Fy.

      Eu escrevi alguns anos atrás (https://anarcoblog.wordpress.com/2007/11/10/eu-hoje-joguei-tanta-coisa-fora/) que a natureza não premia pessoas boas, premia pessoas melhores.

      Eu adoraria ver alguma espécie de balanço e equilíbrio na vida. Tipo um meteoro caindo em cima do Sarney.

      Mas isso não acontece.

      O Lula está com câncer. Grandes merdas: Ele e mais um monte de gente. Boa e ruim.

      E todo mundo morre um dia.

      Acho que era a isso que Nit (cara, adorei a abreviação) se referia com o aforismo do Abismo: “Ao enfrentares monstros, cuidado para não te tornares um deles: quando contemplas o abismo, o abismo a ti contemplas.”

      4) Acho que nesse sentido, é por isso que eu gosto tanto do signo de escorpião: Ele quer Poder “be able to”.

      Poder pode vir em diversas formas. Em termos militares, Bombas Nucleares são Poder. Dentro do tecido social, dinheiro é Poder (uma vez que é tempo concentrado). Em uma discussão, Poder pode estar na forma de raciocínio. No caso do Sapo, Poder era a ameaça de afogamento. No caso do Escorpião, Poder era saber nadar.

      A melhor lecture on Power que eu já li vem daqui: http://www.giantitp.com/comics/oots0657.html (sim, eu tenho referências filosóficas estranhas).

      Poder traz Poder.

      E, o mais importante de tudo: só quem Pode pode se abster de fazer. Só aquele que Pode e voluntariamente se abstém pode se considerar livre, porque quem não pode e “nem queria mesmo” é meramente conformado.

      P.s.: como eu disse, série de centavos, nenhuma resposta ou crítica específica.

      Like

      • Anarcoplayba says:

        heheheheh… acabei de achar esse tbm: http://www.savagechickens.com/2011/07/connecting-the-dots.html

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Of course.

        Eu tenho mais leitores no seu blog que no meu.

        heheheheheh

        Like

      • Fy says:

        Saiu tudo errado : colei tua frase e não colou ! apaga depois.

        – a natureza não premia pessoas boas, premia pessoas melhores.

        Toda a filosofia do Moustache gira em torno de : o Melhor não é o Ruim. Não há esta regra. > daí a “crítica” à Moral .

        Não há nada de errado no Melhor de nós.

        – porque quem não pode e “nem queria mesmo” é meramente conformado. > estes são os Fracos fantasiados de “humildes” > numa conotação falsa de humildade . Falsa mas propícia.

        Eu adoraria ver alguma espécie de balanço e equilíbrio na vida. Tipo um meteoro caindo em cima do Sarney.

        Ah… isto dá outro post.

        Vou te publicar, tá bem ?

        bj

        Fy

        [ apaga o outro ]

        Like

      • Antonio says:

        Putz, então quem é pobre, sapo, cordeiro só resta a morte (matada ou morrida).
        Meio determinista. Nasceu FRACO tá fudido.

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Que nada, Antonio. O Sapo Cururu bota até 35.000 ovos por acasalamento. Se metade deles vingarem, são 35.000. Com 35.000 votos eles elegem uma bancada na câmara dos deputados e mais uns 5 senadores, propõe uma reforma constitucional pelo desarmamento dos escorpiões e penas mais severas para a ferroada em caso de transporte fluvial.

        A força dos fracos está nos números.

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Ops. Se metade vingar, são 17.500 sapos. Ainda é suficiente pra um sindicato.

        E eu acabei de descobrir que as escorpioas ficam grávidas, que eles dançam no acasalamento e que o macho não tem pinto.

        http://www.ibaraki.com.br/escorpiao-a-reproducao-dos-escorpioes.htm

        Viu, mulheres? Cuidado ao desejar um homem que saiba dançar: ele pode vir sem pinto.

        Like

      • Antonio says:

        ahahahahah boa, Anarco.

        Então a solução é um campo de concentração pra sapos, pobres e cordeiros, assim o mundo fica melhor.

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Xiiii… Enquanto dono desse blog e supremo moderador, eu informo que você acabou de incorrer na Lei de Godwin, de forma que eu declaro todos os seus argumentos a contar deste e a partir do mesmo, inválidos.

        Like

      • Antonio says:

        HAHAHAHAH tá certo. Mas então o que faço com esse sapos FRACOS?????

        Like

      • Fy says:

        Viu, mulheres? Cuidado ao desejar um homem que saiba dançar: ele pode vir sem pinto.

        … o que não sabe também ….

        bj
        Fy

        Like

      • Letícia says:

        Pior é desejar um homem que dança, mas NÃO sabe dançar ;-)

        Like

    • Fy says:

      Eu não entendi, Antonio.

      Quem nasce pobre é Fraco ou quem nasce Fraco é pobre ?

      Eu acho q a riqueza e a pobreza nada mais são q sua liberdade em seguir seu caminho em direção à suas realizações. Nãoéñ?

      Acho q eu não entendi o que é Fraco, pra vc.

      Este, por ex, não me parece “forte” …. em tantos sentidos. Mas, ele conseguiu buscar uma boa parte do universo pra nós.

      Talvez, mesmo fraco, ele tenha Poder. Fez: Poder. No bom sentido, pq esta palavra é usavel.

      Nascer fraco… é discutível.

      bj
      Fy

      Like

      • Antonio says:

        Fy, pra mim inteligência é Poder

        bj

        Like

      • Antonio says:

        .FY,

        “Dentro do tecido social, dinheiro é Poder ”

        O Anarco escrever essa frase acima.. Pelo que entendi, quem tem dinheiro tem poder, ou seja, é forte. Logo, quem é pobre é Fraco.

        “Eu acho q a riqueza e a pobreza nada mais são q sua liberdade em seguir seu caminho em direção à suas realizações. Nãoéñ?”

        Concordo totalmente. Então conseguir seguir o caminho de suas realizações não seria uma forma de poder?

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Antonio, leia o Quadrinho: Dinheiro não é algo que você pode vestir ou tirar como uma jaqueta. Se você perde o Poder, você não tinha nenhum pra começar.

        Dinheiro é tempo concentrado. Como você ganha esse dinheiro é uma ótima questão, por exemplo.

        Like

  • Gueixa says:

    Então…o escorpião podia ter nadado desde o início.

    Like

    • Anarcoplayba says:

      Mas aí ele não teria vingado sua família que foi covardemente morta pelo Sr. Sapo.

      Like

      • Melissa says:

        Anarco, digamos que o escorpião matou o sapo simplesmente por que deu vontade é da sua natureza, sem essa história de vingança de família. Então caberia enaltecer sua força, sua natureza, afinal assim é a vida?

        Like

      • Anarcoplayba says:

        Você acabou de responder à própria pergunta: se os motivos que levaram a isso são relevantes, você está dizendo que os fins justificam (ou não) os meios. Atacar à traição para vingar sua família covardemente morta > Pode. Atacar à traição porque quis > Não pode.

        Pessoalmente, eu acredito que estamos diante de um fato: o Escorpião atacou primordialmente porque quis.

        A história não tem prólogo nem epílogo. Ela não permite o conforto de uma justificativa. O Escorpião fez porque quis. Porque Podia. Porque era livre para exercer ou não aquele Poder e escolheu exercer.

        Perceba a ironia de como a inexistência de uma explicação agride seu senso de moral. Agride a ponto de estarmos discutindo o que não está escrito em uma história que não ocorreu fora do espaço da imaginação.

        Nesse sentido, sinceramente, vale enaltecer sim. Pelo menos na minha opinião. O Escorpião surpreendeu alguém, deixou uma mensagem (boa ou ruim, isso é um julgamento pessoal e moral).

        E todo mundo sabe: “It’s not about money… it’s about sendin a message. Everything burns. This city deserves a better class of criminals. And I’m gonna give it to them.”

        Like

  • Gueixa says:

    Uma família de escopiões que se deixa dizimar por um sapo capaz de cair das esparrela de um escorpião, merecia o quê?
    Corremos constantemente atrás de nossos rabos?

    Fy, você escreve bem demais… Já já eu volto.

    Like

    • Anarcoplayba says:

      A famílai do escorpião merecia ser vingada. Or escorpiões eram bebezinhos! E o sapo conseguiu a morte da família da família do escorpião convencendo o Leão de que o Sr. Escorpião planejava derrubar o Reinado dele.

      E foi aí que começou a história do Itto Escorpiogami. (Referência a Itto Ogami, o Lobo Solitário.)

      Like

    • Fy says:

      Super resposta, Gueixa !

      Moral da história : – voltando pro Anarco : “be able to”.

      Bonito ou não : é o que fala, é o que diz . E só isto, // voltando a vc : será o tal julgamento . mais : entre nós e a vida .

      Eu, às vzs percebo q pessoas se esmeram em Infelicidade e Frustação.

      Aí minha questão e a razão de – ah… gostar muito de Nietzsche > que bem proporciona ao próximo um expert em infelicidade, vitimismo e fracasso ?

      Mas … eu sempre sinto uma vantagem comodista e particular no tocante a sí mesmo, nesta formulação de indivíduo.

      daí Nit > … porque a elaboração de uma modalidade de conduta ética em relação a si mesmo é um antídoto poderoso, certeiro. Zaratustra disse, Yoda repetiu.

      bj
      Fy

      > vc também .

      Like

  • Karina says:

    Fazia tempo que minhas ideias n se agitavam vindo aqui.

    Hj fico de espectadora.

    Like

  • Nina says:

    Uou, a coisa rendeu.

    Como todo conto (ou fábula), é possível desfiar várias pontas de fios diferentes, que nos trarão um foco e uma discussão diferenciada.

    A)Podemos discutir a questão do poder, e usando uma reflexão do anarco, não vejo fraqueza no sapo por ele ter morrido envenenado pelo escorpião. Nem vejo muita força (ou livre arbítrio -“fez pq quis”) no escorpião por ele ter simplesmente “agido conforme sua natureza”. Mas esse é outro ponto.

    Voltando: talvez a fraqueza do sapo esteja justamente no momento em que ele coloca a sua segurança em uma ameaça (e essa sua colocação abriu um clarão na minha mente e me fez reavaliar toda a prática pedagógica que presencio nos colégios). A segurança dele não era mais dele, estava na mão (e no ferrão) do outro. Ele estabelece e alimenta a relação dominado-dominador.

    B) a justificativa do ato – o poder de fazer o que quiser

    será?
    Quando o escorpião justifica sua ação usando como prerrogativa a “sua natureza”, ele não está matando o sapo porque “quis”. Nesse caso, não importa seu o sapo matou os escorpiões-bebes ou se o sapo foi a babá mais dedicada dos mesmos bebês. “Segui minha natureza” = “respondi aos meus estímulos hereditários e não há nada que eu possa fazer, so sorry”.

    Ao meu ver, o que me incomoda no conto não é a atitude em si – matar ou não matar eis a questão. O que me pega, como dito anteriormente, é a justificativa: “é da minha essência”.

    Talvez eu admirasse mais o escorpião se ele retrucasse: é da minha natureza e eu quis seguí-la.

    Ou se ele suportasse a travessia e dissesse: era da minha natureza ferroar você, mas decidi não fazê-lo.

    Aí sim entenderia o poder genuíno do escorpião, entenderia que ele fez o que quis, e que não estava apenas respondendo a algum estímulo, seja biológico, seja o social (tão argumentado por vcs).

    c) análise valorativa do ato

    é feio matar o sapo? pode isso arnaldo? ele tava ali querendo ajudar, tadeenho..
    Bem, aí você tem várias opções..
    –> pode ir pela teia “alienante” (pegando o termo que a Fy usou) dizendo que o escorpião é feio e o sapo é bonitinho (e quem sabe não poderia virar o príncipe encantando que salva a princesa, owwnn), e que não se deve matar os amiguinhos que te ajudam na escola.
    –> pode ir pela teia também alienante, mas no caminho contrário: o escorpião é fodão pq tem poder e matou o sapo otário, perdeu prayboy!
    –> pode relativizar tudo, como um bom pós-modernista faria
    –> outras opções que a ausência de café e apenas 3hs de sono não me permitem agora enxergar.

    e tem outras perspectivas, que deixarei para depois. Preciso de 5 minutos no sofá da sala dos professores e um café duplo. Sem gelo.

    Like

  • Livio says:

    O mais bacana, é poder se divertir com as alternativas:

    – O Escorpião não sabia nadar, mas ele mentiu para o Sapo, para não dar esse gostinho do Sapo, de saber que ele também iria morreEeEeEeerr
    – O Sapo só deu carona para o Escorpião, para poder levar ele como tributo para os lagartos-comedores-de-escorpião que vivem do outro lado do rio.
    – O Escorpião pediu carona para outros onze sapos, e foi sacaneado de todas as formas e por todos os orifícios imagináveis. Ele precisava de encontrar um sapo certo para a desforra.
    – Sapos levam Escorpiões nas costas em travessias, há dezenas de anos, e isto JAMAIS ACONTECEU ANTES!
    – Peraí – Sapos morrem MESMO afogados ? Um ser anfíbio não tem a capacidade de viver em dois ambientes ? Então, ele acordou algum tempo depois, quando seu veneno foi neutralizado, e depois foi à forra contra esse MALDITO escorpião!

    Like

    • Anarcoplayba says:

      Nunca na história desse país tantos escorpiões puderam atravessar os rios. Se de fato esse escorpião cometeu uma ilegalidade, esta deverá ser investigada e punida, mas o Ministério do Turismo nunca foi conivente com tais atos.

      Like

    • Nina says:

      Pq o sapo deu carona ao escorpião é o novo porque a galinha atravessou a rua! :D

      Like

  • Engraçado, eu conhecia esta lenda sem as duas últimas linhas.

    Quando me contaram essa história o escorpião afunda junto…Minha primeira reação foi: “Ué, editaram a lenda e mudaram o significado”!

    Para você vê…

    Like

    • Anarcoplayba says:

      Essa versão foi chupinhada do L5R, Dreno. É a historinha que Shinsei conta para o Bayushi.

      Like

      • Breno says:

        Essa é uma das características do conto, de ser mutável

        Já tinha visto uma outra versão, o sapo era um fazendeiro mexica e o escorpião era uma cobra doente
        A cobra pede abrigo,o fazendeiro não quer dar pois acha que será picado ela retruca que vantagem ela teria etc e tal
        Depois de uns meses ela o ataca, e termina a história com o “é a minha natureza”

        Like

  • Fy says:

    Então :

    aqui no Anarco eu coloco com o URL do Youtube : no comment.

    No meu não sai.

    Eu tenho q pescar com o Vodpod.

    No post > sai o Youtube , normal , com o lance do wordpress mesmo, mas só fica no meio. Não tem direita nem esquerda. Dá pra modificar o tamanho, mas não a posição.

    Com o vodpod > fica do jeito q vc quer. Pra lá – pra cá, menor maior , etc

    Mas no comment do meu blog não tá saindo nem com URL e nem com embebed .

    bj
    Fy

    Like

  • João Pedro says:

    Salve aê Anarco, já entrei no teu blog de carona e agora entro como o vilão da historia, eu sou de Escorpião.

    Eu tenho uma dúvida de identidade, hehehe porque nasci entre 2 signos, segundo alguns astrólogos. Voce falou sobre os signos de água, e eu sou à priori de Escorpião, e me identifico pacas com o perfil. Trabalho com arte, propaganda e os nativos de água tem mesmo estas tendências e tudo mais que voce falou. Mas em alguns mapas que eu mandei fazer, sim porque aí fiquei curioso, dependendo da fonte sou Sagitário e alguns astrólogos me colocam mesmo como sagitariano. Outros como uma mistura dos dois o que vira uma confusão indefinível. Já um outro, me diz que isto não existe em astrologia, ou voce é um ou é outro. Conclusão? não sei.

    Talvez voce tenha alguma explicação, amigo

    Abraço a todos

    João Pedro

    Like

    • Anarcoplayba says:

      João, posso te dar uma resposta razoável.

      Seguinte: Na natureza, não tem gavetinha.

      As coisas não funcionam em termos de “Nasci dia 22 às 23:45: Sou de escorpião/Nasci dia 23 às 00:15, sou de sagitário”.

      Há uma graduação entre os signos, um espaço no qual eles se misturam. O que eu aprendi, e achei bem interessante, é que esses signos intermediários são combinações da qualidade sobre o elemento. No seu caso, é a Qualdiade de Escorpião aplicada ao Elemento de Sagitário (já explico melhor).

      As pessoas com as quais eu estudo chamam essas posições de “Arcanos da Corte”, que correspondem às Cartas da Corte no Baralho (Valete, Dama e Rei de cada um dos quatro naipes). No caso, Valete é o princípio Cardinal, Dama o Mutável e Rei o Fixo. Pode chamar de impulso, adaptação e concretização. Cada naipe é um elemento Terra (material), Água (emocional), Ar (Racional) e Fogo (espiritual). Gostaria de destacar que eu estou revendo as correlações entre ar e fogo… mas ainda não tenho opinião formada.

      No caso do seu signo solar, ele é o que a gente chama de Rei de Paus, e é o princípio concretizador de Escorpião aplicado ao ambiente de Sagitário, que é a análise global da situação.

      Essa é uma posição muito intensa: Nostradamus (que era desse signo intermediário) chamava essa posição de “Rei Mago”. Pense nas qualidades de Escorpião (a busca pelo conhecimento, poder, mistério) aplicadas na análise global de Sagitário e vc entende o negócio.

      Não dá para sair falando das pessoas assim, só com uma informação (sol entre Sagitário-Escorpião), mas pense no que eu falei aplicado à sua profissão.

      O Poder de Escorpião (poder sobre as emoções) aplicado às grandes massas. É a “Arte Útil”. Vale pra publicidade, pras artes, pros discursos e por aí vai.

      Note que Publicidade está muito ligada ao signo de leão e Aquário tbm, mas, é diferente: o Publicitário Leonino é aquele que quer ser o mais criativo, o Aquariano o mais exótico, e o Escorpionino-Sagitário, o homem atrás das cortinas.

      Eu tenho só uma posição em Rei de Paus: Urano. O Revolucionário e quebrador de padrões. E qual o meu apelido? ANARCOplayba.

      Like

  • João Pedro says:

    Anarco, eu to lendo, escrevendo e dirigindo, torcendo pra que minha resposta apareça por aí. Claro que eu vou ler com mais calma, mas me surpreendi com tua resposta, nunca ouvi nada tão esclarecedor em kms de mapas explicados.
    té já
    João Pedro

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Contos dos Irmãos Grin – O Sapo e o Escorpião. (Vergonhosamente copiado de um livro de RPG.) at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: