Nota Mental.

March 2, 2012 § 6 Comments

Da próxima vez que alguém usar o argumento anti-união-homoafetiva “como eu vou explicar pros meus filhos?” eu vou usar o argumento “como eu vou explicar pros meus filhos que as pessoas gastam tempo das próprias vidas se dedicando a odiar e querer mandar na opção sexual de outras pessoas?”.

Argumento gentilmente cedido pelo The-Gutters.

Advertisements

§ 6 Responses to Nota Mental.

  • Karina says:

    Cara, coincidentemente, acabei de ler isto:

    “O ator George Clooney, 50, falou sobre os boatos de que seria gay em entrevista à revista ‘The Advocate’.

    ‘Acho engraçado. Mas a última coisa que você me verá fazendo e sair por aí dizendo: É mentira! Isso seria injusto e grosseiro com os meus bons amigos da comunidade gay. Não vou deixar ninguém fazer parecer que ser gay é uma coisa ruim. A quem incomoda o fato de alguém ser gay? Eu estarei morto há muito tempo e as pessoas continuarão dizendo que eu era gay. Não me importo.’ ”

    e ponto.
    Mas não discuto, pq só existe discussão com argumentos, e qq argumentação(?) que recrimine escolhas (ou determinação, que seja) sexuais/afetivas já nasce vazia pra mim. não tenho paciência.

    Like

    • Anarcoplayba says:

      Eu queria colocar isso num link melhor… mas vai ter que ser assim mesmo:

      Like

      • Karina says:

        pô, aqui n abre, depois vejo.

        e sabe o que é mais engraçado? sem querer, outro dia me peguei caindo nessa armadilha tosca…
        conversando com as meninas aqui no Rio, mencionei que tenho um primo gay mas que a família n toca no assunto, ou seja, é um tabu.
        Depois pensei – e nem tive a oportunidade de comentar com elas: “caramba, pq o fato de alguém ser gay deveria ser assunto?! a heterossexualidade de ninguém é assunto de roda!”

        Qd houve a polêmica do Bolsonaro e o Marcelo Tas revelou (ó aqui de novo) ter uma filha gay de quem se orgulha, pensei de novo: esse lance de alguém dizer que não se orgulharia de ter um filho gay é muito estranho. Alguém vê a heterossexualidade do filho, em si, como motivo de orgulho?! até então, é só mais um caracter da pessoa. mas aí a homossexualidade traz isso tudo à tona e o pai ou a mãe de repente encontram na sexualidade do filho um desapontamento?!

        Por isso acho tão lúcido o que o Clooney disse. Preferências sexuais já são tão de foro íntimo, que dizer então qd se envolve afeto?! nossa sociedade ainda é bem primitiva, viu. sobram pudores, julgamentos, cerceamentos… e a caravana da vida vai passando!

        Like

  • Anarcoplayba says:

    Ele não foi o primeiro, Ká. Um outro artista comentou os boatos de que ele seria gay falando que “ele não se manifestou a respeito, porque ser chamado de gay não é ofensa”.

    Plus: http://www.meusnervos.com.br/o-orgulho-do-pai/

    Like

    • Karina says:

      LOL

      recentemente, li umas declarações do Gianecchini a respeito tb, e só me fez admirá-lo mais (ou sua pessoa pública).
      e não enalteci o Clooney pela eventual precedência, mas pq é sensato, seja lá de quem parta. quantos mais pensarem assim, tanto melhor! : )

      Like

      • Anarcoplayba says:

        Sim, sim, claro. E, na verdade, eu apontei que ele não foi o pioneiro apenas porque, aparentemente, estamos vendo um trend surgir.

        Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Nota Mental. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: