Turma da Mônica – Laços.

June 28, 2013 § 2 Comments

Conforme mencionado anteriormente, a Maurício de Souza Produções lançou uma linha de Graphic Novels. Astronauta – Magnetar foi a primeira.

Recebi a notícia que a segunda seria uma história da Turma da Monica cujo tema seria “Floquinho foge e toda a turminha sai em uma aventura para resgatá-lo”.

Comprei a HQ na segunda e a li no mesmo dia.

***

A definição de Poesia que é ensinada na faculdade de letras não é, à primeira vista, das mais poéticas: é a projeção do eixo paradigmático no eixo sintagmático.

Ou tornando um pouco mais palatável, é uma projeção do plano do conteúdo no plano da expressão.

Ou explicando de forma atécnica, Poesia é transformar a ideia em Mensagem. É transformar os elementos sensoriais utilizados como parte integrante da mensagem.

A Poesia, taol qual a Natureza, não tem ponta solta.

***

Faço esse breve aparte para explicar porque afirmo que Turma da Mônica – Laços é poética.

O Argumento da história é deveras simples: O personagem perde algo e busca sanar esse estado de perda. Passa por alguns eventos que lhe ajudarão a alcançar essa finalidade e alcança um estado final de completude (sinto muito pelos spoilers, mas a HQ tem um final feliz).

Na verdade, o grande mérito de TdM – Laços, em verdade, é sua simplicidade. Os protagonistas são eles mesmos. A Mônica é a Mônica, o Cebolinha é o Cebolinha, e todos os demais são os mesmos personagens que alfabetizaram boa parte daqueles que hoje são adultos.

O roteiro é um roteiro igual a tantos outros da Década de 80.

Menção honrosa para as referências obscuras ao início da Turma da Mônica.

Não existe grande complexidade, grande reviravolta, ou mesmo as releituras modernizadoras das quais eu tanto gosto (Turma da Mônica Mangá é MUITO BOM).

E nessa simplicidade, é uma das melhores histórias em quadrinhos que eu já li na vida. Talvez não seja tão emocionante para quem não acompanhou a TdM na década de 80. Mas ainda assim lindo.

E grande parte da beleza está exatamente no traço dos irmãos Vitor e Lu Cafaggi, que conseguiram dar realismo para o traço caricato dos personagens que, ainda que permanecessem fantasiosos, são capazes de tocar no nosso mundo.

O Cebolinha ainda tem 5 fios de cabelo, o Cascão ainda não toma banho, a Magali ainda come demais e a Mônica ainda é ” a menina mais forte do universo”. Mas as crianças esbarram com a perda, a morte, a crueldade e o mundo. O final feliz não é uma obviedade, mas um alívio.

***

Conclusão: Turma da Mônica – Laços é aquisição obrigatória.

 

Advertisements

§ 2 Responses to Turma da Mônica – Laços.

  • Lívia Ludovico says:

    Final feliz tem q ter beijo na boca.

    Like

  • Nina says:

    Os traços fazem A diferença. Um ponto que achei interessante foi a “humanização” dos personagens no desenho. E a forma “sessão da tarde” como é retratada a amizade e as “aventuras e muitas confusões” que eles passam juntos dá aquele calorzinho meloso no coração. Uma leitura gostosa, mas eu ousaria dizer que a poesia está fundamentalmente nos traços do artista. :)

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Turma da Mônica – Laços. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: