Veredas.

December 22, 2014 § 4 Comments

Gente é que nem pedra de rio, seu moço.

A gente entra na água e a gente encontra um monte. Quem colocou lá? Vêm da onde? Quem deu forma? A gente não sabe de nonada não. Só sabe que tá ali.

Tem umas redondinha. Mais lisa que ovo. Tão delicada que dá vontade de guardar como flor de rosa. Essas viram muita água. Essas viram muita água também. As mais finas são as mais duras. As que mais duram. Demoraram mais pra ganhar pele.

E tem umas partidas também. Umas que esfarelam. A gente também não sabe o que aconteceu. Só sabe que elas quebraram. São pedras que bateram em pedras. Algumas até cortam.

Deus é devagar, seu moço. O diabo é que é de repente. Deus dá lisura pras pedras. O Diabo dá ponta.

E o Diabo é a gente mesmo, demais.

Advertisements

Tagged:

§ 4 Responses to Veredas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading Veredas. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: