“A Red Wheelbarrow”.

March 20, 2018 § 2 Comments

(Ou “A Saudades que eu Tenho do Curso de Letras.”)

Mr. Robot é o melhor seriado que eu já vi. O que quer que você esteja fazendo, pare de ler esse texto e vá assistir Mr. Robot.

(Mentira, não para não, termina o texto que eu tô me sentindo carente de leitores. Brigado.)

Em um determinado episódio, um determinado personagem faz a afirmação “A Red Wheelbarrow”, o que deixa o outro personagem perplexo, ao que ele continua “É a única coisa em inglês que meu pai sabia falar”, e declama o poema de William Carlos WilliamsRed Wheelbarrow“:

“so much depends
upon 

a red wheel
barrow 

glazed with rain 
water 

beside the white
chickens”

A performance dos atores e o desenrolar da história (vai assistir, cazzo) dão ao poema uma emotividade tocante. Admito que eu achei inicialmente o poema tosco (“tanta coisa depende de um carrinho de mão vermelho, molhado de chuva, do lado das galinhas brancas”) mas resolvi ir atrás do poema. E dos Ensaios Críticos. E bateu saudades da Letras.

***

Nas palavras do poeta, ele escreveu aquele poema movido pelo afeto e admiração que nutriu por um pescador e seu filho, que mais de uma vez mencionou que trabalhou “até os joelhos” no gelo, mas não sentia frio. Ao ver o Red Wheelbarrow no quintal, ao lado das galinhas brancas, se sentiu tocado e escreveu.

***

O problema é que, uma vez que o poema é escrito, ele não pertence mais ao autor. Ele poderia falar o que quisesse a respeito do poema e do que o levou a escrever. Pouco importa. Poesia é o que o Leitor lê, não o que o escritor escreve.

Um ensaio menciona que Williams, membro das vanguardas da época e amigo de Ezra Pound, se inspirou no estilo fotográfico, se dedicando a pintar uma imagem com palavras.

Outro ensaio menciona que, por meio da quebra calculada das palavras, ele cria poesia com uma mera frase.

Outro sugere que o Carrinho é uma das máquinas simples de Aristóteles, sugerindo que muito da nossa vida é baseada na simplicidade.

Outro sugere que a chave do poema está na palavra depende.

Nenhum deles tem base no que o Autor quis dizer. Todos eles se baseiam no que o Autor disse.

Intenção e resultado raramente são coincidentes.

***

“So much depends”. Tanto depende. Tanto o quê? Inexiste limitação, inexiste indicação. A primeira estrofe não limita nada e pode ser extravasada para a Vida. A segunda estrofe se limita a uma palavra “upon”. Juntas as duas primeiras estrofes compõe uma única frase, a ser complementada pelas três estrofes seguintes.

A segunda estrofe é, em minha opinião, a chave para o entendimento do poema. Apesar de o título ser “The Red Wheelbarrow”, a palavra Wheelbarrow é separada em Wheel + Barrow. Wheel, a Roda, sendo um símbolo de ciclo e repetição, traz a noção de tempo. E Barrow é, em tradução, um pequeno monte de pedras e terra usado para sepultar os mortos. Uma cova rasa. O ciclo de mortes, todos os que morreram antes de nós, todos os que foram sepultados e fertilizaram a terra.

À imagem da roda e da túmulo se acrescenta a chuva, cobrindo tudo em um filme de água, caindo sobre tudo. Não se controla a chuva. Se aceita. E as galinhas brancas, ao lado, indiferentes. O dia a dia e a rotina, sem planos e sem vontade.

Tanta coisa depende do tempo, dos mortos, do acaso e daquilo que fazemos sem pensar.

***

Saudades da Letras.

§ 2 Responses to “A Red Wheelbarrow”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

What’s this?

You are currently reading “A Red Wheelbarrow”. at AnarcoBlog.

meta

%d bloggers like this: