Uma Sugestão de Pauta bem Concreta pra Manifestação.

June 21, 2013 § 2 Comments

Bom, como agora que o aumento da passagem foi revogado todo mundo tá aproveitando pra reivindicar aquilo que considera mais relevante, resolvi dar também os meus R$ 0,20.

Uma coisa que eu aprendi nas cadeiras da faculdade (a primeira, não essa) diz respeito à nossa democracia, que não é tão representativa.

Vamos lá:

Constituição Federal:

Art. 45. A Câmara dos Deputados compõe-se de representantes do povo, eleitos, pelo sistema proporcional, em cada Estado, em cada Território e no Distrito Federal.
§ 1º – O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal, será estabelecido por lei complementar, proporcionalmente à população, procedendo-se aos ajustes necessários, no ano anterior às eleições, para que nenhuma daquelas unidades da Federação tenha menos de oito ou mais de setenta Deputados.

Art. 46. O Senado Federal compõe-se de representantes dos Estados e do Distrito Federal, eleitos segundo o princípio majoritário.
§ 1º – Cada Estado e o Distrito Federal elegerão três Senadores, com mandato de oito anos.

Art. 77. A eleição do Presidente e do Vice-Presidente da República realizar-se-á, simultaneamente, no primeiro domingo de outubro, em primeiro turno, e no último domingo de outubro, em segundo turno, se houver, do ano anterior ao do término do mandato presidencial vigente. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 1997)
§ 1º – A eleição do Presidente da República importará a do Vice-Presidente com ele registrado.
§ 2º – Será considerado eleito Presidente o candidato que, registrado por partido político, obtiver a maioria absoluta de votos, não computados os em branco e os nulos.
§ 3º – Se nenhum candidato alcançar maioria absoluta na primeira votação, far-se-á nova eleição em até vinte dias após a proclamação do resultado, concorrendo os dois candidatos mais votados e considerando-se eleito aquele que obtiver a maioria dos votos válidos.

Agora a Lei Complementar nº 78 de 1993:

Art.1º Proporcional à população dos Estados e do Distrito Federal, o número de deputados federais não ultrapassará quinhentos e treze representantes, fornecida, pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, no ano anterior às eleições, a atualização estatística demográfica das unidades da Federação.
Parágrafo único. Feitos os cálculos da representação dos Estados e do Distrito Federal, o Tribunal Superior Eleitoral fornecerá aos Tribunais Regionais Eleitorais e aos partidos políticos o número de vagas a serem disputadas.
Art.2º Nenhum dos Estados membros da Federação terá menos de oito deputados federais.
Parágrafo únicoCada Território Federal será representado por quatro deputados federais.
Art. 3º O Estado mais populoso será representado por setenta deputados federais.
Art. 4º Esta Lei Complementar entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 5º Revogam-se as disposições em contrário.
Brasília, 30 de dezembro de 1993, 172º da Independência e 105º da República.

O que se tira dessas informações?

Bom, dessas informações se retira que existe um teto e um mínimo de deputados por Estado, que sempre haverão 3 senadores por Estado e que o presidente se elege por maioria simples.

A perversidade desses fatos é que se, por Lei, nenhum Estado NUNCA terá mais do que 70 deputados (ou aproximadamente 13%) ou menos do que 8 (ou 1,6% aproximadamente), no Brasil, a população está dividida de forma bem diferente. São Paulo responde por 21% da população e tem 13% dos deputados enquanto Roraima tem 0,2% da população e 1,6% dos deputados. Pra constar: Roraima tem 0,2%, Amapá 0,3%, Acre 0,4%, Tocantins 0,7%, Rondonia 0,8%, Sergipe 1,1%, Distrito Federal 1,3%, e Mato Grosso do Sul 1,3%. Todos eles têm “mais deputados do que pessoas”, ou seja, 1,6% de deputados do Congresso cada.

Como já dito acima, cada Estado tem 3 Senadores, independentemente do número de habitantes que tem.

Agora eu quero chegar num ponto muito importante: não quero saber se “nordestino não sabe votar e tem que ser afogado” como dito pela fascistinha do twitter, ou se é importante uma representação desequilibrada para proteger os Estados mais pobres, nem nada do gênero.

Eu só quero apontar um detalhe: O presidente se elege com a maioria da população enquanto o congresso não.

Ou seja, nenhum presidente faz aliança porque “é uma corja de ladrões”. Presidente faz aliança porque se não fizer simplesmente não governa. Simples assim.

Nenhum Partido isolado até hoje conseguiu maioria absoluta. Diga-se de passagem, temos alguns partidos que se especializam em eleições para congresso e nem tem esperança de eleger presidente.

Não estou falando que o coitadinho do FHC/LULA/DILMA queriam ser bonzinhos mas não conseguiram. Estou falando que temos um sistema que obriga o Presidente a negociar. Somos uma barganhocracia. E negociação acontece, por baixo, com ministérios e secretarias. Na pior das hipóteses (ou melhor, vai saber) é mala preta pra tudo que é lado.

Então, meus amores, eu sei que é muito mais complicado ir ler a nossa Constituição Federal e fazer as contas de “quantos por cento é 8 deputados de quinhentos e treze”, mas se alguém quer o fim da corrupção, antes de sair gritando palavras de Ordem, saiba que a corrupção é fruto direto da nossa barganhocracia.

Advertisements

Espírito Olímpico.

July 31, 2012 § 8 Comments

Durante a faculdade, eu era meio que um atleta.

Contanto que a definição de atleta seja jogar rugby, lutar karatê, capitanear a equipe de xadrez e cair de ressaca na piscina pro pólo aquático porque ninguém mais queria jogar pólo aquático no winterusp.

Dentre as inimizades que eu acabei fazendo (é um risco quando você não modula muito os sentimentos) eu destaco a Bateria.

Objetivamente sempre me incomodou pessoas tentarem puxar a sardinha para si e falar que “a torcida ganha o jogo” quando, well, tem gente rompendo ligamentos entre quatro linhas de cal.

Durante essa época (que me dá certa saudades) as rotinas de treino eram engraçadas. Desde treino das 22:00 às 24:00 de rugby terça e quinta, a treino de xadrez das 10:00 às 12:00 de sábado.

Quem acordava no sábado pra treinar xadrez pós balada? Aparentemente eu. Obviamente, isso é algo meio idiota, mas na prática, esporte é algo meio idiota.

Isso porque você passa meses treinando e negligenciando uma porrada de aspectos da sua vida com um objetivo: vencer um adversário em uma competição de algumas horas.

Você passa frio, fome, sede, dor, cansaço, mais dor, mais cansaço e mais fome pra, dali a alguns meses ganhar ou perder. Ou perder com um ligamento rompido, ou uma retina descolada, que vai te impedir de praticar qualquer outro esporte na vida e isso não faz sentido at all.

O fato é que a gente não entende porque não tem tamanho pra entender.

Uma ex-namorada que era professora de Educação Física comentava algo a respeito do fisiculturismo que vale para todos os esportes praticados com seriedade: é algo que atrapalha muito a sua vida. Você vai passar fome, ficar de mal humor, colocar sua vida em função de uma agenda que envolve comer batata doce e peito de frango a cada três horas e exercícios diários pra no fim ganhar ou perder. E ainda por cima ouvir se você tem ou não pêlos a mais embaixo do braço.

Isso se você não tomar anabolizantes. Se tomar, corre o risco de um tumor no fígado ou nos rins. E por aí vai.

Na antiguidade clássica, os vencedores dos jogos olímpicos eram alçados ao Olimpo, merecendo o direito de conviver com as divindades. Faz todo o sentido do mundo, porque os humanos não possuem condição de conviver com eles.

Mortais não entendem que até vale à pena morrer cedo se você viver rápido. Especialmente se você for o homem mais veloz do mundo.

Mortais não entendem que vale à pena amputar um dedo pra tentar uma vaga na seleção neo-zelandesa de Rugby.

A Cris Cyborg nocauteia a Gina Carano. Quem ganha mais? A mais gostosa.

Qual a atleta de Tênis mais bem paga? A mais gostosa e bem colocada (porque não basta ser boa, tem que ser gostosa – pelo menos não basta ser só gostosa no esporte).

Um amigo meu fez uma excelente distinção entre Júpiter e Marte. Júpiter é o Rei sentado em seu Trono. Ele tem o tempo e o direito de avaliar toda a situação e dar a decisão mais sábia. Marte é o Rei em seu Carro. Ele atravessa os obstáculos.

Se o preço de ser alçado à divindade é ignorar os pêlos na axila, so be it. É um ingresso barato pro Camarote Olímpico.

Occupy the World! – Legendas do Último post.

November 30, 2011 § 12 Comments

Perguntaram no post passado e por email se eu era a favor do Movimento Occupy Wall Street… Expliquei por email, então vai aqui novamente alguns centavos a respeito.

Eu sou a favor de Wall Street e sou a favor do Movimento Occupy Wall Street. Explico.

Já há alguns anos eu conversei com um amigo meu e expliquei que eu odeio o “liberalismo de fachada”.

Livre comércio pra cá… livre iniciativa pra lá… é mão invisível, auto-regulamentação, redução tributária… mas quando você menos espera, out of nowhere, vai um grupo de empresários pra Brasília pedir isenção fiscal, proteção comercial, anistia tributária, financiamento do BNDES, etc.

Perceba: eu não sou contra a redução de impostos, muito pelo contrário. Mas eu sou contra a redução seletiva de impostos.

Do mesmo jeito, eu não sou contra a livre iniciativa. É competente? Tem mais é que ganhar dinheiro mesmo!

MAS… Eu sou contra a livre iniciativa que depende de ajuda estatal pra se manter.

Na época em que o caso estourou, foi muito discutido, aqui em São Paulo, o caso de um famoso cinema na esquina da Consolação com a Paulista.

Com o boom imobiliário, o proprietário quis rescindir o contrato para alugar o imóvel para uma loja de departamentos. Imediatamente, out of nowhere, o Prefeito e o Governador  começaram a propor o tombamento do prédio.

De novo: nada contra o cinema ou coisa que o valha. Mas eu acho muito complicado o Estado sair se metendo nas empresas. ESPECIALMENTE com o dinheiro que toda a população paga. Basicamente, é tirar alguns milhões (que poderiam ser alocados em um Hospital Público, p.ex., ou pagando os precatórios que o Estado deve, não nega, e paga quando puder) pra que os hipsters assistam cinema iraniano.

Nisso vem o porque eu sou a favor do Occupy Wall Street: A Crise de 2008 foi basicamente uma crise de regulação. Fizeram empréstimos ruins, que geraram créditos podres, revenderam esses créditos e lucraram horrores. Quando a bolha estourou, qual a reação? Help me Government!

Ou seja… de certa forma, estamos falando de um capitalismo adolescente: “Eu faço o que eu quero, mas me dá dinheiro pra ir no shopping?”

Porque é aquela história… muito fácil falar que “o livre comércio premia os mais eficientes” quando não se vê que “os mais eficientes” “coincidentemente” são os amigos do rei.

Por outro lado, eu achei o Occupy Wall Street genial: é pacífico, não causa problemas, apenas procura levantar uma bandeira de perspectiva. Nós somos o 99% do mundo e queremos um orçamento diferente. Se as guerras do novo século forem assim, estou feliz.

However… isso é só metade do problema.

A Outra metade, que pra mim é o mais relevante, é que, enquanto o mundo está tentando rediscutir o quanto nosso livre comércio é realmente livre e o quanto nossas bicicletas precisam de rodinhas, se é justo financiar os bancos que, grosso modo, foram irresponsáveis, aqui em São Paulo, os Estudantes da USP fazem uma passeata pra tirar o policiamento militar do campus porque três alunos foram abordados enquanto fumavam maconha.

Vamos sopesar as coisas:

Um grupo, de abrangência mundial, se dedica a ocupar pacificamente espaços públicos para chamar a atenção da divisão iníqua dos recursos estatais.

Outro grupo fecha a Paulista porque quer fumar maconha na faculdade.

Às vezes eu odeio meu país.

Mais um post sobre sexo.

January 8, 2010 § 23 Comments

Ok, eu até tinha coisas mais relevantes pra falar, e até mesmo pra fazer. Tipo escolher livros, colocar no correio, escrever dedicatórias e organizar o concurso de sexo oral.

Porém, uma notícia abalou a comunidade científica internacional: alguns cientistas afirmam que o Ponto G é um mito.

Ok, eu não vou discutir fatos com argumentos. Ponto G existe, mesmo eu não sabendo o que é, e mesmo sabendo que algumas mulheres respondem melhor à estimulação grafenberguiana que outras.

Se não fosse uma falta de delicadeza, eu chamaria aqui algumas mulheres para darem o depoimento, mas acho que não venha ao caso.

O que eu quero compartilhar com vocês, no entanto, é o ridículo da situação.

1) Colocaram Cientistas pra encontrar o Ponto G.

Ok, deixa eu ver se eu entendi. As pessoas estão em razoável rebuliço porque um bando de nerds que perderam sei lá, uns bons 15 anos da vida fazendo pesquisa acadêmica, escrevendo papers, enfurnados num laboratório, etc, pra tentar encontrar o Ponto G.

É tipo colocar o Marcelo Rubens Paiva pra dar uma palestra sobre bom-senso!

É contraditório! Não faz sentido!

2) Pra mim esse estudo é desculpa.

Imagina a cena:

Namorada: Amor, já tentou encontrar o meu ponto G?
Cientista: Isso não existe.
Namorada: Existe sim, a Claudinha falou que é uma delícia!
Cientista: Não existe não. Lê esse paper que eu escrevi. E depois esse sobre os benefícios do sêmen para as rugas.

3) Método Utilizado.

Ok, isso eu só vi agora, e eu sou obrigado a achar genial UM aspecto dessa pesquisa.

Pra descobrir se o Ponto G existe ou não, os cientistas pegaram 1.800 irmãs gêmeas e compararam o resultado da estimulação dos Pontos G, para chegar à conclusão de que não existe base genética (o que não afasta a minha tese do Chakra) pra existência do ponto G.

Deixa eu repetir, por extenso: cientistas pegaram mil e oitocentas irmãs gêmeas, as fizeram gozar repetidas vezes e chegaram à conclusão de que não existe base genética pra existência do ponto G.

Mil e oitocentas mulheres. Irmãs gêmeas.

E eu resolvi ser advogado! Eu sabia que eu deveria ter seguido carreira de pesquisador! Eu sabia!

***

Piadas à parte, aproveitando o post sobre sexo, hora de compartilhar com vocês uma descoberta excelente: My Secret GardenForbidden Flowers, ambos escritos (organizados seria o termo correto) pela Nancy Friday.

Qual o tchãs do livro: é uma coletânea de relatos “reais” de fantasias sexuais femininas, com uma leve análise psicológica.

Ou seja: temos duas coisas legais:

1) Mulheres narrando as próprias fantasias sexuais, o que é legal pra caralho: Enquanto homem, eu estou acostumado a consumir a pornografia feita por e para homens. Mulheres tem uma abordagem diferente (em geral) da pornografia. Homens pensam muito na idéia, mulheres nos detalhes. Algumas mulheres, por exemplo, narram a cor do vestido que estão usando, os detalhes do ambiente, etc.

2) Uma leve (o suficiente pra não perder o erotismo) análise psicológica. O ponto principal do livro é separar as fantasias sexuais em “temas”, e esclarecer. Por exemplo, pegam a fantasia de estupro e explicam que não é que a mulher quer ser estuprada, mas sim uma ferramenta de escape da repressão: Sexo é sujo, mas se me obrigarem, uh lala!

Ou seja, potencialmente estamos vendo o nascimento de mais uma Shere Hite, na nossa geração. É praticamente leitura obrigatória.

Da Série “Vergonha pela Burrice Alheia”.

November 18, 2008 § 1 Comment

Depois disso e disso, uma nova notícia me enche de vergonha pela burrice alheia.

Em Dusseldorf, na Alemanha, um presidiário fugiu da cadeia se remetendo pra fora dentro de uma caixa de papelão.

Vocês não botam uma fé de como eu queria que estivesse escrito “ACME” na caixa.

Isso é tipo um plano do Coiote pra pegar o Papa Léguas! Imaginem o que passou pela cabeça do cara: “Meu… como eu vou fugir da cadeia? Já sei! Vou me enviar por Sedex pra Honolulu!”

E. DEU. CERTO.

E depois vem a diretora da prisão falar que ele deveria ter comparsas fora da cadeia! Claro que tinha! E ele encontrou eles ligando para o 0800 da empresa!

“Bom dia, Senhor, meu nome é Cleide, em que posso estar ajudando o senhor?”
“Bom dia, Cleide, eu precisava saber de uma caixa do tamanho que coubesse um ser humano, pra uma entrega da penitenciária de Dusseldorf.”
“Qual o tamanho do ser humano que o senhor vai estar enviando, senhor?”
“Mais ou menos 1,80m e 80kg.”
“Entendo, senhor, a única caixa que nó vamos estar tendo é a de 1,50 x 1,20. O senhor acha que vai estar cabendo?”
“Acho que sim… manda essa mesmo.”

E ainda vem a diretora falar que precisa de mais guardas! Filha, você não precisa de mais guardas, você precisa de um CÉREBRO!

Ou contratar o Papa-Léguas como guarda!

Take me Back to the Paradise City where the people are smart and the girls are simple…

December 21, 2007 § 3 Comments

Ok. Roubaram o Masp.

A gente sempre imagina o assalto a um museu como algo extremamente planejado e detalhista, que usa sensores laser, dardos tranqüilizantes, bombas de gás e aparatos de escalada.

Não. Roubaram o Masp usando um MACACO HIDRÁULICO e um PÉ DE CABRA.

Roubaram telas de Pablo Picasso e Portinari utilizando um troço que serve pra LEVANTAR CAMINHÕES e outro que serve pra ABRIR CAIXAS (e espancar pessoas).

Por favor, alguém mais aqui se sente indignado?

Por favor… é uma merda de MUSEU! Guarda coisas de valores INESTIMÁVEIS! Eu presumiria que a segurança daquilo fosse capaz de barrar pelo menos um mecânico com vontade de trocar o pôster do Axé Blonde da oficina por algo mais “chique”!

Os seguranças “não perceberam nada”. Bom eu imagino mais ou menos como se deu o planejamento do roubo.

“Oh, Zé…”

“Fala, Tião. Aproveita e pega uma Cintra bem gelada no frizi.

“Eu tava pensando… e se a gente roubasse umas telas lá do máspi?”

“Ah, sei lá, Tião… Marquei de comer a Craudinha esse findi.”

“Não, Zé… cê ta maluco? Vamos roubar durante semana que eu também tenho compromisso esse findi.”

“Ah, pode ser, Tião. Cê já sabe como entrar?”

“Ah, a gente abre a porta com um macaco lá da Oficina.”

“Boa… mas a gente vai ter que distrair os guardas…”

“Por quê?”

“Ah, sei lá… sempre falam isso nos filmes.”

“Ah… tem razão… mas como?”

“Pera! Tive uma idéia! A gente pede pra Craudinha correr pelada na Paulista gritando ‘Cerveja de graça!’ Que os guardas nem vão perceber!”

“Boa Idéia, Tião! Eles nunca vão desconfiar! A Craudinha é mó gostosa!”

Acabo de ver que as primeiras informações disseram que a ação foi rápida e precisa: que os ladrões sabiam exatamente onde estavam as obras.

É um MUSEU! As obras estão EXPOSTAS à visitação! Você pode ENTRAR lá quando quiser pra ver! O que deveria ser difícil era de entrar lá quando está fechado!

Ah, outra coisa: os ladrões saíram do MASP carregando os QUADROS! Nas molduras! Não fizeram aquela coisa style de tirar a tela, enrolar e sair pendurados de rapel do MASP.

Saíram com QUADROS. MOLDURAS.

Você vê dois MECÂNICOS saindo do MASP, carregando duas MOLDURAS e acha que tá tudo bem. E provavelmente sai correndo atrás da Craudinha.

Eu quero me mudar para um lugar em que não existam imbecis.

Fossa das Marianas talvez.

 

 

Sobre a inteligência humana.

October 1, 2007 § 3 Comments

Biólogos descobriram na Nova Zelândia um peixe-rato albino que deveria ter, aproximadamente três anos de idade.

Os cientistas ficaram impressionados, pois isso é extremamente raro: não apenas o peixe albino, como também ele sobreviver. Não tenham dúvidas de que um peixe albino é o equivalente no mundo da natureza a um Mc’Donalds.

Decididos a recriar o animal em cativeiro (pra quê?), cientistas colocaram o animal num balde.

Durante a noite, enquanto todos estavam dormindo, o peixe pulou e morreu.

Para os cientistas, foi uma perda lastimável.

Enquanto isso, astrônomos continuam procurando vida inteligente no sistema solar.

Eu tenho esperança de que encontrem um dia.

(Sim. Esse post é curto. Queria o quê? Ele fala sobre a inteligência humana.)

 

 

Where Am I?

You are currently browsing the Vergonha pela Burrice Alheia category at AnarcoBlog.